domingo, 18 de junho de 2017

Proposta que permite voto do imigrante em eleições municipais passa em comissão do Senado

Vale lembrar que o Brasil é atualmente o único país da América do Sul a não permitir a participação do imigrante em seu processo eleitoral, seja em nível municipal, regional ou nacional


Escrito por Rodrigo Borges Delfim

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou na última quarta-feira (14) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que permite que imigrantes com residência permanente no Brasil possam votar e serem votados nas eleições municipais.
Atualmente a Constituição brasileira só permite que brasileiros natos e portugueses naturalizados tenham direito ao voto. Por isso, é necessária uma emenda à Carta Magna brasileira para mudar essa determinação.
A iniciativa é de autoria do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), atual ministro das Relações Exteriores e que também foi responsável pelo PLS 288/2013, que deu origem à nova Lei de Migração aprovada recentemente pelo Congresso (Lei 13.445/2017) e que entra em vigor em novembro.
Na comissão, o texto recebeu a relatoria do senador Antonio Anastasia (PSDB-SP), que deu parecer favorável ao projeto, com modificações.
A proposta modifica a redação do artigo 5º da Constituição, que passaria a ser: “Todos são iguais perante à lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo aos brasileiros e aos estrangeiros no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade…”
Também ganham modificações os artigos 12 e 14 da Constituição: o primeiro passaria a estender o direito ao voto também aos migrantes com residência permanente no Brasil; já o artigo 14 permitiria o alistamento eleitoral dos imigrantes, atualmente vedado pela legislação brasileira. No caso dos imigrantes, o voto seria facultativo – ao contrário do que acontece com os brasileiros.
Vale lembrar que o Brasil é atualmente o único país da América do Sul a não permitir a participação do imigrante em seu processo eleitoral, seja em nível municipal, regional ou nacional.
A mudança dessa situação é uma reivindicação antiga da comunidade migrante já residente em solo brasileiro, que tem tomado parte apenas em processos eleitorais extraoficiais e isolados, como o que permite que imigrantes residentes na cidade de São Paulo possam eleger seus próprios representantes para os Conselhos Participativos Municipais de cada regional da cidade – o cargo é voluntário.
Longo caminho e condições
Além de ainda ter um longo caminho no meio legislativo (precisa passar por votação em dois turnos no plenário do Senado e depois pela Câmara dos Deputados, a PEC que permite que imigrantes votem e sejam votados nas eleições municipais dependerá ainda de regulamentação posterior pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).
Outra ressalva importante é que a concessão do direito ao voto para uma determinada nacionalidade, de acordo com a PEC, depende da reciprocidade em favor dos brasileiros nos respectivos países. Ou seja, se determinado país não permite que brasileiros votem em seu processo eleitoral, o Brasil não permitiria que essa nacionalidade tenha direito de votar e de ser votada em solo brasileiro.
“Aproveitamos para alterar esse dispositivo a fim de abrir espaço à diplomacia brasileira para negociar tratados, bilaterais ou multilaterais, que estendam a estrangeiros residentes — e não mais apenas aos portugueses — certos direitos inerentes a brasileiros. Nesse caso, vislumbramos a possibilidade de, por exemplo, celebrarmos tratados com outros países lusófonos ou com nações inseridas em nosso contexto de integração regional, em especial no que se refere a votar e ser votado nas eleições municipais”, disse Aloysio.
Com informações da Agência Senado

[Fonte: www.migramundo.com]

Nenhum comentário:

Postar um comentário