quarta-feira, 17 de maio de 2017

Família brasileira descobre elo com judeus expulsos da Europa há 5 séculos para obter cidadania portuguesa


Decreto de 1496 de Portugal obrigou que judeus do país se convertessem ao cristianismo ou seriam condenados à forca. Com a medida, muitos judeus vieram para o Nordeste brasileiro. E deixaram descendentes.


Genealogista acompanha o processo de 60 brasileiros para tentar provar elo com judeus expulsos da Europa nos anos 1500. Documentos precisam ser analisados pelo Ministério da Justiça de Portugal                                            

(Foto: Assis Arruda/Arquivo pessoal)
Escrito por André Teixeira
Foram necessários anos de pesquisa, centenas de documentos, certidões de casamento de 300 anos e muito estudo para encontrar o elo entre uma família cearense e judeus expulsos da Europa há cinco séculos. A jornada começou em 2015, quando Portugal anunciou que daria cidadania aos estrangeiros que provassem ter antecedentes sefarditas, uma forma de se desculpar com o povo banido da península Ibérica no final do século XV.
"Entendo que nesta matéria não há possibilidade de reparar o que foi feito. Diria que se trata da atribuição de um direito", disse à época Paula Teixeira da Cruz, ministra da Justiça de Portugal.
Há várias formas de brasileiros obterem a cidadania portuguesa, mas por meio da comprovação do vínculo com sefardistas é mais raro. De 2010 a 2016, das quase 100 mil concessões de cidadania portuguesa a brasileiros, apenas 39 foram por esse meio, de acordo com o Ministério da Justiça lusitano, órgão responsável pelo reconhecimento da ascendência judaica.
 Henrique Sérgio e Assis Arruda investiram meses de pesquisa para comprovar a ascendência em judeus expulsos da Europa (Foto: Assis Arruda/Arquivo pessoal)
Henrique Sérgio e Assis Arruda investiram meses de pesquisa para 
comprovar a ascendência em judeus expulsos da Europa 
(Foto: Assis Arruda/Arquivo pessoal)
Nertan Arruda foi o primeiro brasileiro a provar o vínculo com judeus sefarditas e obter a cidadania por meio do decreto-lei número 30-A, de 2015. "Fizemos pesquisa em Sobral, Massapê, descobrimos documentos históricos sobre os primeiros descentes dos judeus que foram expulsos da Europa e vieram para o Nordeste brasileiro. Em Lisboa, eles comprovaram a veracidade dos documentos em abril do ano passado e consegui a cidadania", lembra Nertan.
A partir do certificado de Nertan, o primo Henrique Sérgio Arruda aprofundou as investigações da genealogia sefardita no Ceará para obter o mesmo certificado para ele e outros 29 familiares. Para isso, Henrique Sérgio precisou da comprovação da ascendência de cada uma das 15 gerações que o separam de Branca Dias, judia morta em Pernambuco em 1558.

A judia 'nordestina' expulsa da Europa

Em alguns casos, genealogistas recorreram a registros históricos incompletos. Documentos da Inquisição portuguesas são fontes de Assis Arruda (Foto: Reprodução)

Em alguns casos, genealogistas recorreram a registros históricos incompletos.
Documentos da Inquisição portuguesas são fontes de Assis Arruda

O empresário Henrique Sérgio já obteve documentos que atestam sua familiaridade consanguínea com Branca Dias no Brasil e da Comunidade Israelita de Lisboa. Os documentos, no entanto, ainda precisam ser analisados e aprovados pelo Ministério da Justiça do país ibérico, que pode conceder a cidadania aos descendentes de judeus sefarditas.

A sefardita Branca Dias, expulsa de Portugal no século XVI, é identificada por alguns historiadores como a primeira mulher a lecionar no Brasil, mantendo escolas nos engenhos que manteve junto com o marido em Olinda, na antiga capitania de Pernambuco. Ela vivia na colônia portuguesa como uma "cristã nova", como eram identificados os judeus convertidos - às vezes forçadamente - ao cristianismo.

No entanto, às escondidas, ela praticava sua tradicional religião, fato que foi descoberto e a levou à condenação pela inquisição. O julgamento inquisitorial e a relevância de Branca Dias deixaram vasto material documental dela e de seis gerações de seus descendentes.

Cearense descobre elo com judeus expulsos da Europa para obter cidadania portuguesa
 Cearense descobre elo com judeus expulsos da Europa para obter cidadania portuguesa

"Parte dos documentos eu consegui com os registros da família e em igrejas, outra parte de livros do Brasil e de registros portugueses da perseguição aos judeus. Com esse atestado formal eu estou encaminhando o meu pleito. Não é fácil conseguir essas provas, mas o instituto lusitano disse 'você tem um material maravilhoso, é preto no branco, tudo muito bem comprovado'."

O empresário afirma que a cidadania portuguesa pode trazer benefícios práticos para ele e para a família, mas a descoberta de suas origens familiares é o que mais o motiva a realizar as pesquisas genealógicas.
"Aos 70 anos eu já não busco mais tanta coisa que vá modificar a minha vida, é muito mais um interesse histórico de buscar as minhas origens. Certamente que meus filhos e meus netos podem se interessar, podem estudar no exterior e viajar por diversos países da Europa eu estando com a cidadania portuguesa e eles também."
A família de Henrique Sérgio tem documentos como certidões de nascimento e de casamento de oito ascendentes, faltando sete passos para conectá-lo a Branca Dias. Para completar a documentação, ele contou com os serviços do genealogista Assis Arruda, que estuda há 45 anos ancestrais de famílias de Sobral e da região norte do Ceará.

Para cada processo de estudo genealógico, Assis leva meses de pesquisa. E ele prefere não falar dos valores cobrados pelo serviço. Atualmente, o genealogista cuida do processo de pesquisa que pode dar a cidadania portuguesa a mais de 60 brasileiros, mas não é um trabalho fácil, ele alerta.

"Quando os judeus foram expulsos e vieram para o Nordeste, eles procuraram tirar todos os vestígios que o ligassem ao judaísmo para evitar perseguições, muitas vezes mudaram de nome, o que dificulta a pesquisa genealógica. No caso da Branca Dias, a Inquisição formalizou um processo no tribunal, já com o nome de cristão novo."

Para completar os sete passos que faltavam para o elo entre Henrique Sérgio Arruda e Branca Dias, Assis consultou alfarrábios de 1750 e documentos da Inquisição em Portugal, alguns deles já referenciados nos livros que escreve sobre a genealogia sobralense e compartilhados na internet.

Burocracia e custo

O processo de Henrique, no entanto, não vai ser tão rápido quanto o do primo Nertan, devido ao aumento no número de pedidos de cidadania. Além da pesquisa que leva meses, lembra o genealogista Assis, a documentação deve passar por todo o processo burocrático de análise.

Para ter direito à cidadania como descendente de sefardita, primeiramente é preciso um certificado da Comunidade Judaico Portuguesa ou documentos que possam provar a ascendência, como títulos de posse, testamentos e certificados de propriedades.

Com a comprovação, é preciso pagar o valor de 250 euros e apresentar uma série de documentos. O trâmite burocrático pode levar cerca de seis meses.

O genealogista Assis Arruda afirma que há boa possibilidade de a pessoa ter vínculo com judeus sefarditas caso ela seja das seguintes famílias: Arruda, Gomes Parente, Ribeiro da Silva, Ferreira Gomes, Linhares, Ferreira da Ponte, Sabóia, Lira, Rodrigues de Lima, Furtado de Mendonça, Domingues da Silva, Machado da Ponte, Montenegro, Mont'Alverne, Demétrio, Monte, Carneiro, Araújo da Costa, Vasconcelos e famílias que se desenvolveram às margens do Rio Acaraú, na zona norte do Ceará.

Conversão forçada ou morte

Decreto de 1496 em Portugal determinou que judeus deveriam ser convertidos ao cristianismo ou seriam condenados à forca; com a medida, muitos sefarditas vieram ao Brasil (Foto: Darren Whiteside / Reuters)

Decreto de 1496 em Portugal determinou que judeus deveriam ser convertidos ao cristianismo ou seriam condenados à forca; com a medida, muitos sefarditas vieram ao Brasil (Foto: Darren Whiteside / Reuters)

A vinda dos judeus sefardistas ao Brasil remete ao decreto de Portugal de 1496, "que só deu [aos judeus no país] a opção à conversão forçada ou à morte". Com a medida, parte dos judeus se converteu oficialmente ao cristianismo, mas, na prática, exercia a fé judaica às escondidas.

Outro evento que fechou o cerco contra os judeus no país lusitano foi o massacre ocorrido em 1506, o que rendeu um monumento em homenagem a "milhares de judeus vítimas da intolerância e do fanatismo religioso". Na ocasião, milhares de judeus foram assassinados por supostamente serem os responsáveis por uma estiagem em Lisboa.

Os que escaparam do linchamento da população foram condenados à morte na forca. Depois disso os pogroms (ataques violentos) ficaram mais frequentes até que os judeus foram expulsos de Portugal, alguns deles fugindo para o norte europeu, e outros, para as colônias portuguesas, como o Brasil.

Ainda antes disso, nos tempos bíblicos, os sefarditas têm origem no grupo de judeus que fugiu para a península Ibérica após a pilhagem dos romanos à Palestina por volta de 70 d.C. A região que abrange Portugal e Espanha era chamada de Sepharad pelos exilados, o que dá origem ao nome sefardita.

Documentos da Inquisição portuguesa registram a vida de Branca Dias no Nordeste brasileiro (Foto: Assis Arruda/Arquivo pessoal)
Documentos da Inquisição portuguesa registram a vida de Branca Dias no Nordeste brasileiro (Foto: Assis Arruda/Arquivo pessoal)


[Fonte: www.g1.globo.com]

Nenhum comentário:

Postar um comentário