quinta-feira, 27 de julho de 2017

Israel bate recorde de turistas

Modernidade, balada? Tel Aviv não deixa nada a desejar comparada à Londres, Nova York ou Paris.


Tendência de viagem em 2017, Israel comemora recorde de turistas em toda a sua história. Segundo o Ministério do #Turismo israelense, só no último mês de abril, o país registrou a entrada de 349 mil turistas. É o recorde desde 1948, data da fundação do estado moderno de #Israel. Isso representa um aumento de cerca de 38% em comparação a abril de 2016.

"É um país surpreendente em todos os aspectos. Israel é muito mais do que simplesmente turismo religioso", explica Mani Gal, diretor geral do Ein Gedi, um antigo kibutz localizado perto do mar morto. O kibutz, que nasceu em um oásis no meio do deserto, sempre produziu frutas e legumes.

Recentemente, no entanto, transformou-se em #Hotel de luxo. A razão destes bons resultados não tem segredo, de acordo com as autoridades: investimentos pesados no destino e a decisão estratégica de escolher o setor de turismo como uma das prioridades.

Do total de turistas, os viajantes brasileiros representaram cerca de 3,2 mil. Pode parecer pouco, mas significa um aumento superior a 66% em relação ao mesmo período no ano passado. Só nos primeiros quatro meses de 2017, foram contabilizados 1,09 milhão de viajantes. Índice 28% maior se comparado ao mesmo período em 2016.

Mais que turismo religioso

Segundo Mani Gal, Tel Aviv tornou-se nos últimos anos um centro moderno que atrai gente badalada e descolada. Considerada maior porta de entrada do país, é a capital cultural, industrial e comercial de Israel.

O viajante encontra uma cidade em constante transformação com diversidade cultural e religiosa, restaurantes, bares e arranha-céus. Tem ainda baladas que não deixam nada a dever às melhores festas de Londres, Nova York, Paris. Além disso, Tel Aviv abriga de rentáveis start ups à maior parada gay do Oriente Médio. E é nesta cidade vibrante, considerada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco, que pipocam hotéis de luxo com muita personalidade.

Hotel ‘animal’ na selva urbana

Um exemplo de hospedagem em Tel Aviv é o Nyx, criado com o conceito de hotel ‘animal’ na selva urbana. Do lado de fora, é apenas um edifício novo e relativamente comum. Mas, por dentro, é uma espécie de mix de arte urbana com modernidade. Uma escultura de pantera negra encara os hóspedes logo na chegada num hall escuro que mescla preto com cores, flores e objetos vintage.

O Nyx hotel foi pensado para ser um hub de cultura urbana, arte de rua, moda, design, criatividade, música e tudo o que se relaciona à cidade.

A cor preta também tem um significado. Segundo a mitologia, Nix ou Nyx é a deusa grega noite. A ideia é que os seres humanos são animais que vivem numa selva urbana.

Partiu Israel

Conceitos como os implementados em vários hotéis butique, como o Nyx, são um reflexo do que acontece hoje em dia em Israel. É um país claramente em obras e que não para de se modernizar. O sistema de classificação de hotéis por lá é relativamente recente. Entre alguns dos hotéis considerados cinco estrelas estão Dan, Isrotel Royal Beach, Sheraton e Carlton, em Tel Aviv; Mamilla, King Davi e hotéis David Citadel, em Jerusalém; e Dan Eilat, Herod’s Vitali e Palace, em Eilat.

Isso sem falar em kibutz transformados em hotéis de charme como o Ein Gedi. Israel tem hoje hospedagem e atrações para todo tipo de gosto e bolso. O viajante tem tudo para se surpreender neste lugar misterioso e milenar.


[Fonte: www.coisasjudaicas.com]

Nenhum comentário:

Postar um comentário