domingo, 9 de julho de 2017

Direitos negados: Caingangue ainda lutam por tradução e intérpretes em processo penal


Julgamento envolve assassinatos ocorridos na região da terra Iidígena candoia, em Faxinalzinho (RS).
Foto: Renato Santana/Cimi
Com decisões que remontam à época da ditadura militar, a Justiça Federal do Rio Grande do Sul e o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negaram a 19 indígenas do povo caingangue a tradução de um processo judicial no qual são réus. Depois da negativa a um habeas corpus, em junho, novo recurso foi submetido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), buscando garantir aos indígenas a efetivação de direitos que, há quase 30 anos, a Constituição Federal lhes assegurou.
O recurso em habeas corpus produzido pela assessoria jurídica do Cimi, que atua na defesa dos indígenas no processo, pede novamente a tradução da denúncia para o caingangue e a presença de intérpretes para que as testemunhas caingangue possam se expressar na própria língua, além de auxiliar a compreensão do processo pelos 19 indígenas acusados do assassinato de dois agricultores. Também é solicitada a realização de laudo antropológico para averiguar o grau de entendimento do português e trazer aos autos a cosmovisão caingangue dentro de sua condição indígena.
Em 20 de março, o juiz federal da Vara de Erechim (RS), onde o processo de mérito tramita, negou o pedido de tradução do processo e de presença de intérpretes para os 19 réus caingangue e as testemunhas. Sem nenhuma fundamentação especializada, o juiz decidiu que, embora os acusados tenham o domínio da língua nativa caingangue, “ao que tudo indica comunicam-se e entendem a língua portuguesa e, por conseguinte, conhecem a acusação que pesa contra eles”.
O juiz ainda afirma que o fato de os indígenas terem permanecido calados durante o depoimento na delegacia, fazendo uso do direito de silêncio, seria uma evidência de que conhecem perfeitamente o português.
Na segunda instância, a situação se repetiu. Em junho, ao julgar o habeas corpus solicitando a tradução, a presença de intérpretes e perícia antropológica, o TRF-4 reforçou os argumentos integracionistas do juiz de primeira instância. O laudo antropológico seria dispensável, conforme nova decisão, “no caso de indígenas que estão integrados à sociedade não indígena envolvente e que possuem conhecimento a respeito dos costumes a ela inerentes e compreensão a respeito de suas regras”.
A perspectiva integracionista, que direcionou a atuação do Estado brasileiro durante o período da ditadura militar, pretendia a integração dos indígenas à “comunhão nacional” por meio do abandono de sua identidade. Essa visão foi superada pela Constituição Federal de 1988, que reconheceu aos povos indígenas sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições.
“O poder Judiciário precisa abandonar de vez os equívocos das políticas de integração e estar pronto para receber o paradigma constitucional no que tange aos direitos indígenas consagrados em 1988, na interpretação e principalmente na aplicação da lei. Sobretudo num processo penal em que os acusados e as testemunhas de defesa são indígenas”, avalia a assessora jurídica do Cimi, Carol Hilgert, uma das autoras do recurso. 
A decisão do TRF-4 ainda afirma que existe “desnecessidade de perícia antropológica, pois a ilicitude do homicídio é reconhecida por qualquer comunidade indígena, não havendo dúvidas de que a conduta de matar alguém não faz parte dos costumes e tradições do povo caingangue”.
No recurso, os advogados argumentam que essa afirmação induz a uma lógica equivocada. “Tal tipo de aferição só poderia ser feita para cada povo, em perícia técnica através de laudo antropológico e de maneira contextualizada. Vale lembrar que na nossa própria cultura há casos em que a conduta de matar alguém é tida como não reprovável, como é o caso da legítima defesa”.
Amigos da corte
Após a nova negativa ao direito dos indígenas à tradução, dez organizações de defesa dos direitos humanos, entre instituições da Colômbia, México, Peru e Estados Unidos, e clínicas de direitos humanos de universidades do Brasil e do Canadá, ingressaram no processo com pedido de amicus curiae (amigos da corte) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).
amicus curiae é um instrumento pelo qual instituições com conhecimento e atuação reconhecidas no tema em discussão pela corte podem participar de processos, produzindo subsídios e contribuindo para a qualificação da decisão a ser tomada pelo tribunal.
Segundo notícia da Fundação para o Devido Processo Legal, uma das organizações que ingressaram com pedido de amicus curiae, o Brasil “é um dos poucos países do continente no qual um juiz penal pode aferir, sem qualquer apoio em perícia antropológica ou linguística, o grau de compreensão do indígena sobre um determinado idioma”.
Atentando aos parâmetros do direito comparado e do direito internacional dos direitos humanos, as organizações apontam que a tradução, a interpretação e a perícia antropológica devem ser observadas desde a primeira etapa do processo penal, para evitar que o devido processo legal e a ampla defesa sejam prejudicados. Tais direitos, ressaltam, são protegidos pela Convenção Americana sobre Direitos Humanos e pela Convenção 169 da OIT, ambas subscritas pelo Brasil.
Decisão
Após a negativa do habeas corpus no TRF-4, em 6 de junho, a defesa dos indígenas ingressou com o recurso no STJ. O relator do recurso é o ministro Rogerio Schietti, da Sexta Turma. Como o STJ está em recesso entre os dias 2 e 31 de julho e a violação de direitos dos indígenas segue em curso, a defesa interpôs um pedido de decisão liminar, que pode ser julgado a qualquer momento pela presidente do tribunal, a ministra Laurita Vaz.

Indígena caingangue em manifestação. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Residentes das terras indígenas Votouro e Kandoia, os 19 caingangue respondem pelas mortes de dois agricultores, ocorridas no dia 28 de abril de 2014 em Faxinalzinho (RS), enquanto os indígenas bloqueavam estradas da região. Os caingangue reivindicavam a demarcação completa do seu território tradicional, que se arrasta há 17 anos. Na ocasião, cinco indígenas chegaram a ser presos sem qualquer evidência e seguem inscritos, junto a outros 14, nos crimes dos quais são acusados de forma genérica e sem individualização de condutas no processo penal.
Recurso em Habeas Corpus (RHC) no STJ: 86305/RS 
Acesse aqui a peça de amicus curiae.

[Fonte: www.cimi.org.br]

Nenhum comentário:

Postar um comentário