segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Museu do Estado abre exposição para contar a história de Pernambuco

Todas as peças da mostra Pernambuco: Território e Patrimônio de um Povo pertencem ao Museu do Estado, localizado nas Graças

Na exposição, o visitante conhecerá Pernambuco desde a pré-história / Foto: Leo Motta/JC Imagem
Na exposição, o visitante conhecerá Pernambuco desde a pré-história

Escrito por Cleide Alves

Na próxima quinta-feira (10/08), às 19h, o Museu do Estado inaugura a exposição Pernambuco: Território e Patrimônio de um Povo. Mais do que a exibição pública de peças e coleções guardadas no acervo da instituição, localizada nas Graças, bairro da Zona Norte do Recife, a mostra faz um resgate da história de Pernambuco sem cair em chavões e armadilhas, como bem disse o antropólogo Raul Lody, um dos curadores do trabalho.

A exposição, de longa duração, ficará em cartaz no Espaço Cícero Dias e vai ocupar uma área de 400 metros quadrados com quase 800 peças que ajudam a explicar a formação do povo pernambucano. Escolhidos a dedo, os objetos convidam a uma viagem desde a pré-história até os dias atuais, passando pelos povos indígenas, exploração do pau-brasil, ciclo-do-açúcar, escravidão, colonização, religião, insurreições e produção artística.


“Todas as peças pertencem ao nosso acervo, são originais e parte delas foi restaurada”, informa a diretora do Museu do Estado de Pernambuco, Margot Monteiro. Muitas deixaram a reserva técnica pela primeira vez. A mostra, diz ela, vem sendo organizada há dois anos e tem patrocínio do Banco Santander, pela Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

Um mapa de grupos indígenas que habitavam o Brasil, elaborado pelo etnólogo alemão naturalizado brasileiro Curt Nimuendajú (1883-1945), é uma das peças que serão expostas pela primeira vez. “Só há três mapas desses no mundo, os outros estão no Rio de Janeiro e na Alemanha”, declara Margot Monteiro.

No ambiente destinado aos povos tradicionais o visitante também vai encontrar cocar feito com penas de pássaros, brincos confeccionados com asas de besouros, carimbos para pintura corporal e tangas marajoaras de cerâmica. São objetos selecionados da Coleção Carlos Estevão, de propriedade do Museu do Estado, composta de utensílios indígenas de todo o País, com ênfase na Amazônia.

[Foto: Leo Motta/JC Imagem - fonte: www.jconline.ne10.uol.com.br]

Nenhum comentário:

Postar um comentário