sexta-feira, 16 de junho de 2017

O Brasil vai ganhar a primeira escola internacional portuguesa

O foco da nova escola são os filhos de portugueses emigrantes que residem no Brasil e os descendentes de portugueses. Mas serão aceitos também interessados que não pertençam a esses dois grupos. O projeto da escola portuguesa prevê ainda um porcentual de ao menos 10% de vagas que serão destinadas a alunos carentes. A capacidade quanto ao número de alunos ainda não foi estabelecida.
A nova escola terá ensino infantil, fundamental e médio e todos os alunos terão diploma duplo, que garante acesso às instituições de ensino superior público e privadas em Portugal.
As obras necessárias para a implementação da escola, assim como a administração posterior serão de responsabilidade do governo português. “A partir de agora vamos começar a trabalhar em conjunto com as equipes técnicas para que possamos cumprir a meta desejada de abrir as portas da escola portuguesa em 2019”, disse o ministro da Educação de Portugal, Tiago Brandão, ao Portugal Digital.
Já a parte curricular será discutida e elaborada em conjunto entre os governos português e brasileiro. O certo é que o currículo será binacional. A escola será 100% digital.
“Para Portugal era fundamental ter este espaço no Brasil”, disse o ministro Tiago Brandão, completando que a escola portuguesa não será apenas uma escola de formação. “Ali também funcionará um Centro de Cultura da Língua Portuguesa”, diz. É que, além da escola, serão criados no espaço um centro de Formação Contínua de Professores e um centro de Língua Portuguesa e Cultura, voltado a professores, alunos e funcionários da rede estadual. Também em conjunto será feita a escolha dos professores, trabalho que, segundo o ministro, será equacionado pelas equipes técnicas bilaterais que trabalharão pelos próximos meses nesse projeto.
Para o Brasil, a parceria é interessante O secretário de educação do Estado de São Paulo, José Renato Nalini, diz que para o Brasil essa parceria vai permitir que esses estudantes tenham acesso facilitado ao mercado comum europeu uma vez que o diploma valerá em Portugal e em toda a comunidade europeia, não sendo necessária sua validação para os que quiserem estudar ou trabalhar lá. “Estamos agora devolvendo a Portugal um espaço onde, de 1941 a 1994, funcionou como escola de Portugal e que agora volta a funcionar novamente como tal. Hoje, no prédio funciona uma diretoria administrativa da Secretaria de Educação de São Paulo.
Para o primeiro ministro de Portugal, Antonio Costa, a assinatura do protocolo de intenções entre os dois governos para a instalação da escola portuguesa foi um dos momentos mais marcantes para Portugal dentro das comemorações do 10 de junho, pois sinaliza o futuro das relações entre os dois países. “Já fizemos muito nos últimos anos, mas ter aqui uma escola portuguesa significa realizar um sonho de cinco décadas”, disse.
A escolha da cidade de São Paulo para a instalação da escola portuguesa levou em conta o grande número de portugueses e luso-brasileiros na capital paulista, segundo Paulo Lourenço, cônsul geral de Portugal em São Paulo. A cessão do prédio ao governo de Portugal será por 20 anos, podendo ser renovado. A escola no Brasil será a oitava que Portugal mantém espalhada pelo estrangeiro.
[Fonte: Portugal Digital]

Nenhum comentário:

Postar um comentário